Local Burger, en Las Condes: vivir la rapidez

Posee sabor de barrio… uno de oficinas, cemento vidrio y acero, para jóvenes con esa ambición de los primeros trabajos, o para quien pase y quiera comer una hamburguesa por sobre la media pensando en un pequeño lujo. Hay una impronta en ese lugar que se parece a demasiados en su estilo pero que tienta y da ley en el amplio mundo de chancheo.

 

CRM.

 

Es tanto una tentación como un sacrificio acudir a la comida rápida. La racionalidad pide comer una vez al mes, a lo sumo, para mantener cierto decoro alimentario. Pero en ese segmento lo que manda es la tentación emotiva mediante ganchos de color, de aroma; también de la textura heredada del efecto Maillard (ese que deja la carne doradita), los dulzores directos o la confortable saciedad de un pan o de una papa frita, lo que suele inclinar la balanza. Local Burguer avanza en ese camino con cierta distinción, en un barrio como Nueva Las Condes donde el almuerzo es de una competencia sin pausa.

Entonces y a la hora de sacar pequeñas ventajas la comodidad es un valor. Y allí aparece una terraza amplia y sombreada, mientras que dentro, los espacios más los ocupa una larga barra que es tanto caja, cocina y zona de despacho entre quienes van y vienen en plan reparto a domicilio, que son bastantes a mediodía. Con todo, hay armonía gracias a la velocidad de servicio y una selección más bien breve de hamburguesas que se llevan el protagonismo. Eso aparte de bocados, aguas, bebidas y un par de cocteles simples con un gin tonic que sorprenden -gratamente- pensando a la salida de la pega y en esos viernes sin retorno tras el almuerzo.

Para empezar aparecen opciones tipo Aros de cebolla ($ 3.900), con una crocancia intensa y a la vez delgada, de esas que cuesta olvidar gracias a un panko bien frito, sabroso y con una salsa con la mostaza por delante que vino a darle buen gusto. Se respetó el sabor cebollero, además de permanecer al dente y con un tono dulzón que hizo un buen contrapunto. Luego, la fritanga con sentido tuvo otro puntito alto con las Bolitas de macarrones ($ 4.500), un puñado de bollitos de queso, pasta, algo de jalapeño y toques de tocino, fritas con fuerza y gracia… chancheo con altura de miras.

En la sandwichería hamburguesera, su base está en las moliendas smash, o sea, aplastaditas en un estilo bien gringo para que el crocancia mande. No existe un “a punto” pero el hecho de que sean caseras y el sabor de la carne esté bien presente (angus, aseguran) aporta frente a todos sus aderezos. En el caso de Big Local, la versión de la casa ($ 9.800), suma abundante queso cheddar, cebolla picada, lechuga, pepinillos en salsa donde -muy importante-, el pan de papa luce suave; de esos que invitan a tomarlo con las manos gracias a su tamaño pero sobre todo a una textura muy suave y esponjosa; luego le va bien su color amarillento intenso y finalmente cierto dulzor en boca que no deja de llamar la atención. Para otra ocasión quedaron las versiones veganas y de pollo

Por otro lado las papas fritas requieren de harto esfuerzo para no ser más de lo mismo de cualquier local de comida rápida del montón. Delgadas, resecas incluso calientes, quebradizas y de interior harinoso. Pobre la performance. Ojo además con el Brownie, más bien un helado de chocolate con grumitos reblandecidos de masa, que urge más crocancia y sabor enjundioso. Pero en suma Local Burger tiene herramientas para competir en un ambiente de alta competencia, como preparándose para dar el salto como cadena, de esas con decenas de locales. O más.

Los Militares 5934, local 1, Las Condes. @localburgercl

(PD: ¿Todo, siempre, tiene que ser nombrado en inglés para este tipo de locales?)

Nota: esta visita fue realizada por invitación de sus propietarios.

 

 

Local Burger, in Las Condes: living the fast life

It has the flavor of a neighborhood… one of offices, concrete, glass and steel, for young people with the ambition of their first jobs, or for those who pass by and want to eat an above-average hamburger, thinking of a small luxury. There is an imprint in this place that resembles too many others in its style, but that tempts and gives law in the wide world of the “chancheo”.

 

CRM.

 

It is both a temptation and a sacrifice to turn to fast food. Rationality demands eating once a month, at most, to maintain a certain food decorum. But in this segment, what rules is the emotional temptation through color and aroma hooks; also the texture inherited from the Maillard effect (the one that leaves the meat golden brown), the direct sweetness or the comfortable satiety of a bread or a French fry, which usually tips the balance. Local Burguer advances along this path with a certain distinction, in a neighborhood like Nueva Las Condes where lunch is a non-stop competition.

So when it comes to taking small advantages, comfort is a value. And there appears a wide and shaded terrace, while inside, the spaces are occupied by a long bar that is both cashier, kitchen and office area between those who come and go in home delivery plan, which are quite a few at noon. All in all, there is harmony thanks to the speed of service and a rather brief selection of burgers that take center stage. Apart from snacks, water, drinks and a couple of simple cocktails with a gin and tonic that are a pleasant surprise when thinking about leaving work and those Fridays after lunch.

To start with, there are options such as Onion rings (CL$ 3,900 – US$ 4,50), with an intense and at the same time thin crunchiness, one of those that are hard to forget thanks to a well fried panko, tasty and with a sauce with mustard on the front that came to give it a good taste. The onion flavor was respected, in addition to remaining al dente and with a sweet tone that made a good counterpoint. Then, the fritanga con sentido had another high point with the Bolitas de macarrones (CL$ 4,500 – US$ 5,20), a handful of cheese buns, pasta, some jalapeño and touches of bacon, fried with strength and grace… “chancheo” (eating succulent things, often fast food, without guilt) with height of vision.

In the hamburger sandwich shop, its base is in the smash grinds, that is to say, crushed in a very gringo style so that the crunchiness rules. There is no “a point” but the fact that they are homemade and the flavor of the meat is very present (Angus, they assure) contributes to all their toppings. In the case of Big Local, the house version (CL$ 9,800 – US$ 11,20), adds abundant cheddar cheese, chopped onion, lettuce, pickles in sauce where -very important-, the potato bread looks soft; one of those that invite you to take it with your hands thanks to its size but above all to a very soft and spongy texture; then its intense yellowish color and finally a certain sweetness in the mouth that does not fail to attract attention. The vegan and chicken versions are for another occasion.

On the other hand, french fries require a lot of effort not to be more of the same as any other fast food place. Thin, dry, even hot, brittle and floury inside. Poor performance. The brownie is more like a chocolate ice cream with softened lumps of dough, which needs more crunchiness and a rich flavor. But in short, Local Burger has the tools to compete in a highly competitive environment, as if preparing to make the leap as a chain, one of those with dozens of stores. Or more.

Los Militares 5934, local 1, Las Condes. @localburgercl

(PS: Does everything always have to be named in English for this type of premises?)

Note: this visit was made at the invitation of the owners.

 

 

Local Burger, em Las Condes: vivendo a vida rápida

 

Tem o sabor de um bairro… um bairro de escritórios, concreto, vidro e aço, para jovens com a ambição do primeiro emprego ou para aqueles que passam por ali e querem comer um hambúrguer acima da média com um pouco de luxo em mente. Há uma marca nesse lugar que se assemelha a muitos outros em seu estilo, mas que tenta e dá a lei no vasto mundo do “chancheo”.

 

CRM.

 

É uma tentação e um sacrifício recorrer ao fast food. A racionalidade exige que se coma uma vez por mês, no máximo, para manter uma certa dose de decoro alimentar. Mas, nesse segmento, o que impera é a tentação emocional por meio dos ganchos da cor, do aroma; também a textura herdada do efeito Maillard (que deixa a carne dourada), a doçura direta ou a saciedade confortável de um pão ou de uma batata frita, que tende a desequilibrar a balança. O Burguer local avança por esse caminho com certa distinção, em um bairro como Nueva Las Condes, onde o almoço é uma competição ininterrupta.

Portanto, quando se trata de aproveitar pequenas vantagens, o conforto é um trunfo. E há um terraço grande e sombreado, enquanto no interior os espaços são ocupados por um longo bar que é ao mesmo tempo um caixa, uma cozinha e uma área de escritório para aqueles que entram e saem para fazer entregas em domicílio, que são muitos na hora do almoço. Em suma, há harmonia graças à rapidez do serviço e a uma seleção bastante breve de hambúrgueres que ocupam o centro das atenções. Isso sem contar os petiscos, as águas, as bebidas e alguns coquetéis simples com gim-tônica, que são uma surpresa agradável quando se pensa em sair do trabalho e naquelas sextas-feiras sem retorno após o almoço.

Para começar, há opções como os Onion rings (CL$ 3.900 – R$ 22), com uma crocância intensa, porém fina, daquelas difíceis de esquecer graças a um panko bem frito, saboroso e com um molho com mostarda na frente que veio para dar um bom sabor. O sabor da cebola foi respeitado, além de permanecer al dente e com um tom adocicado que fez um bom contraponto. Em seguida, a fritanga con sentido teve outro ponto alto com as Bolitas de macarrones (CL$4.500 – R$ 25), um punhado de bolinhos de queijo, macarrão, um pouco de jalapeño e toques de bacon, fritos com força e graça… “chancheo” (comer coisas suculentas, geralmente fast food, sem culpa) com vista alta.

Na sanduicheria de hambúrguer, a base está nos smash grinds, ou seja, esmagados em um estilo bem gringo para que a crocância impere. Não há “um ponto”, mas o fato de serem caseiros e o sabor da carne estar muito presente (Angus, eles nos garantem) contribui para todas as suas coberturas. No caso do Big Local, a versão da casa (CL$ 9,800 – R$ 55), ele acrescenta queijo cheddar abundante, cebola picada, alface, picles em molho onde – muito importante -, o pão de batata parece macio; um daqueles que convidam a pegá-lo com as mãos graças ao seu tamanho, mas acima de tudo a uma textura muito macia e esponjosa; depois, sua cor amarelada intensa combina bem e, finalmente, uma certa doçura na boca que não deixa de chamar a atenção. As versões vegana e de frango ficam para outra ocasião.

Por outro lado, as batatas fritas exigem muito esforço para não serem mais do mesmo de qualquer outra lanchonete de fast food. Fina, seca, mesmo quente, quebradiça e farinhenta por dentro. Desempenho ruim. O brownie parece mais um sorvete de chocolate com pedaços de massa amolecida, que precisa ser mais crocante e ter um sabor rico. Mas, em resumo, o Local Burger tem as ferramentas para competir em um ambiente altamente competitivo, como se estivesse se preparando para dar o salto como uma cadeia, uma daquelas com dezenas de pontos de venda. Ou mais.

Los Militares 5934, local 1, Las Condes. @localburgercl

(PS: Será que tudo sempre tem que ser nomeado em inglês para esses tipos de estabelecimentos?)

Observação: esta visita foi feita a convite dos proprietários.

Comparte: