Ponga mayor atención

Es una epidemia, o tal vez una pandemia pero sólo circunscrita al territorio nacional: la del mal servicio.

 

Por Carlos Reyes M.
Publicada en El Llanquihue, 21 de noviembre de 2023

“Chileno cara de culo” dicen muchos visitantes a la zona, fundamentalmente extranjeros, particularmente argentinos. Aquella frase la señaló un funcionario del municipio de Puerto Montt, la semana pasada, durante una de las jornadas en que se informó a la comunidad del Plan de Desarrollo Turístico propuesto desde 2024 en adelante. No es que de pronto se les salga la cadena y se lancen a despotricar a diestra y siniestra contra los locales. Sólo es la observación espontánea ante quienes ofrecen una pose de aburrimiento, de hastío, frente al otro que pregunta o necesita de una información. O lo que preocupa más, al momento de hacer una venta de lo que sea.

Más allá de las formas de la expresión, es el reflejo de la fama sobre la mayoría de quienes están del otro lado del mostrador o de pie frente a una mesa, aportando en el sutil y a la vez poderoso arte de agriar el ambiente en un restaurante o de una tienda. Se trata en el fondo de una epidemia, o tal vez una pandemia pero circunscrita al territorio nacional: la del mal servicio. En todo el país, salvo contadas excepciones, el hecho de hacerlo pareciera que es una especie de ofensa aunque en el fondo se trata de una imprecisión profunda, parte del inconsciente colectivo chileno.

La gran mayoría de las personas confunden servicio con servilismo, cosa que a cualquiera con cierta dignidad le molesta, pero que está muy lejos del verdadero oficio asociado a la atención, a la buena atención. Y ahí es donde también podemos detenernos, como para indicar uno que otro factor que le añade sazón al problema. Son contados los espacios de formación de personas iniciadas en el trato directo, más allá de quienes cursan hotelería. Pero más importante es saber lo escasos que son los sitios, particularmente en el ámbito de los restaurantes, donde el sueldo no es el mínimo y donde la complementación del salario no es haciendo una caja paralela basada en propinas.

Dos causas (hay más) de una sola crisis que se antoja estructural y que vale la pena abordar con fuerza -más allá de la casi siempre virtuosa presencia extranjera en el rubro- si se busca dar un salto de desarrollo en el turismo.

 

Pay more attention

 

It is an epidemic, or perhaps a pandemic but only circumscribed to the national territory: that of bad service.

 

“Chileno cara de culo” (Chilean ass-face) say many visitors to the area, mainly foreigners, particularly Argentines. That phrase was said by an official of the municipality of Puerto Montt, last week, during one of the days in which the community was informed of the proposed Tourism Development Plan from 2024 onwards. It’s not that they suddenly let the chain slip and started ranting left and right against the locals. It is only the spontaneous observation of those who offer a pose of boredom, of weariness, in front of the other who asks questions or needs information. Or what worries more, at the moment of making a sale of whatever it is.

Beyond the forms of expression, it is the reflection of fame on most of those who are on the other side of the counter or standing in front of a table, contributing to the subtle and at the same time powerful art of souring the atmosphere in a restaurant or a store. It is basically an epidemic, or perhaps a pandemic but confined to the national territory: that of bad service. Throughout the country, with few exceptions, the fact of doing so seems to be a kind of offense, although it is actually a profound inaccuracy, part of the Chilean collective unconscious.

The vast majority of people confuse service with servility, something that bothers anyone with a certain dignity, but which is very far from the true profession associated with service, with good service. And this is where we can also stop, as if to point out one or two other factors that add spice to the problem. There are few training spaces for people initiated in direct service, beyond those who study hotel management. But it is more important to know how scarce the places are, particularly in the restaurant field, where the salary is not the minimum wage and where the supplementation of the salary is not by making a parallel box based on tips.

Two causes (there are more) of a single crisis that seems to be structural and that is worth to be tackled with force -beyond the almost always virtuous foreign presence in the industry- if a leap in tourism development is sought.

 

 

Preste mais atenção

 

É uma epidemia, ou talvez uma pandemia, mas apenas confinada ao território nacional: a do mau atendimento.

 

“Chileno cara de culo” (cara de bunda chilena), dizem muitos visitantes da região, principalmente estrangeiros, especialmente argentinos. Essa frase foi dita por um funcionário do município de Puerto Montt na semana passada, durante um dos dias em que a comunidade foi informada sobre o Plano de Desenvolvimento Turístico proposto a partir de 2024. Não é que, de repente, eles deixaram o gato sair do saco e começaram a falar mal dos habitantes locais. É apenas a observação espontânea de quem faz uma pose de tédio, de cansaço, diante do outro que faz perguntas ou precisa de informações. Ou, o que é mais preocupante, no momento de fazer uma venda do que quer que seja.

Além das formas de expressão, é o reflexo da fama na maioria dos que estão do outro lado do balcão ou diante de uma mesa, contribuindo para a arte sutil, mas poderosa, de azedar a atmosfera de um restaurante ou loja. Trata-se basicamente de uma epidemia, ou talvez uma pandemia, mas confinada ao território nacional: a do mau atendimento. Em todo o país, com poucas exceções, o fato de fazê-lo parece ser uma espécie de ofensa, embora no fundo seja uma profunda imprecisão, parte do inconsciente coletivo chileno.

A grande maioria das pessoas confunde serviço com servilismo, algo que incomoda qualquer pessoa com certa dignidade, mas que está muito longe da verdadeira profissão associada à atenção, à boa atenção. E é aqui que também podemos nos deter, como que para apontar um ou dois outros fatores que apimentam o problema. Há poucas oportunidades de treinamento para pessoas iniciadas no contato direto, além daquelas que estudam administração hoteleira. Mas o mais importante é a escassez de lugares, especialmente em restaurantes, onde o salário não é o salário mínimo e onde a complementação do salário não é feita por meio de um caixa paralelo baseado em gorjetas.

Duas causas (há mais) de uma única crise que parece estrutural e que vale a pena combater com força – além da quase sempre virtuosa presença estrangeira no setor – se quisermos dar um salto no desenvolvimento do turismo.

Comparte: